Eliana Maria Nigro Rocha

 e-gagueira.com.br

 

Psicomotricidade Ramain

          A abordagem em Psicomotricidade Ramain pode ser apresentada, de modo simplificado, para facilidade de compreensão, a partir de três tópicos principais: psicomotricidade diferenciada, trabalho corporal e expressão verbal.

          As atividades compreendidas pela psicomotricidade diferenciada estão divididas em categorias: recorte, barbante com arame, mosaico, ditados (de cores, de sinais, de sons e de formas), escrita, sinais alinhados, imagens (loto A, loto B, loto C, imagens puzzles e desenhos puzzles), composição, triagem de materiais e de imagens, figuras geométricas em pé, decoração de árvores, atividade dirigida e tempo livre. É importante ressaltar que estas atividades se encontram no Dossiê F, sendo que a metodologia Ramain dispõe de outros dossiês, adequados às diferentes faixas etárias.

          Cada uma destas categorias é composta por uma variada série de propostas diferentes, cujo objetivo é continuamente proporcionar uma situação nova a ser desvendada, utilizando todo o potencial do indivíduo, sem objetivo de treiná-lo a adquirir determinadas habilidades, mas ensejando que ele tenha a oportunidade de se deparar com suas dificuldades e de lidar adequadamente com elas, enquanto toma ciência das interferências de seu corpo e de suas emoções na realização das tarefas.

          Algumas destas propostas são menos direcionadas do que as demais, como a atividade dirigida e o tempo livre. Durante sua realização é propiciada maior autonomia para a organização individual e/ou grupal, tanto no que se refere à utilização do tempo disponível e à escolha do material ou dos objetos lúdicos, como à decisão de como concretizar a proposta da atividade dirigida ou como utilizar adequadamente o tempo livre. Isso permite uma ampliação da possibilidade de emergência das peculiaridades de cada um. Como nas demais propostas, todas estas atividades são realizadas sob o olhar atento do terapeuta, mas nessas, ele tem material de observação de atividades mais espontâneas e pode, assim, dar retornos mais significativos sobre as atitudes e comportamentos-padrão do indivíduo.

          No trabalho corporal a abordagem também evita o treinamento e busca a percepção do próprio corpo, de seus segmentos e deslocamentos, a quebra dos automatismos e dos estereótipos, visando o encontro do equilíbrio, da consciência e da harmonização dos movimentos. O resultado desse enfoque se reflete em soltura corporal, em adequação do tônus em cada ação específica, em encontro de sua identidade corporal, o que propicia segurança ao indivíduo.

          Por fim, a expressão verbal se refere tanto a propostas específicas que vão desde o desenvolvimento da consciência articulatória até a clareza da expressão oral na comunicação espontânea, como aos momentos de síntese das percepções das vivências efetuadas, momento no qual o terapeuta pode pontuar e clarear os modos como a pessoa em questão se percebe e se expõe ao mundo.

          Toda a formação em Psicomotricidade Ramain é vivenciada pelo futuro psicomotricista, enquanto em paralelo a abordagem é profundamente estudada nas aulas teóricas. É, assim, uma formação que condiz com a unicidade que apregoa e que propicia que os profissionais saibam não só intelectualmente como em sua íntima experiência o que significa uma reeducação psicomotora.

          Essa especialização revolucionou minha maneira de avaliar e de entender a ocorrência de gagueira em um indivíduo. Forneceu-me a possibilidade de uma visão mais ampla, que me permitiu perceber melhor, desde as particularidades de cada dificuldade, as peculiaridades de cada indivíduo, até o relacionamento íntimo e indissolúvel entre o corpo e as atividades realizadas por seu intermédio. Mais do que tudo, houve o aprimoramento da capacidade de estar presente para acompanhar meu paciente nesta jornada em busca de maior fluência
.













​​

Veja informações mais gerais sobre este tópico em Psicomotricidade.